[21] 4042-2469

Cliente MobiRio agora pode disponibilizar assinatura com carimbo do tempo - MobiRio

Cliente MobiRio agora pode disponibilizar assinatura com carimbo do tempo

Cliente MobiRio agora pode disponibilizar assinatura com carimbo do tempo
Compartilhe:

Rio de Janeiro, 29 de Março de 2020,

Cliente MobiRio a partir de hoje pode utilizar os certificados com carimbo do tempo para assinar as escrituras e procurações! De forma fácil e prática e com suporte aos sistemas operacionais Windows, Linux e MacOS!

Alem dos recursos já anunciados:

Cliente MobiRio sai na frente com atos digitais integrados

MobiRio disponibiliza editor de atos mais poderoso que word

Ferramentas para enfrentamento do COVID-19

COVID-19 e as oportunidades no Rio De Janeiro

Agora utilizando o MobiRio o CARIMBO DO TEMPO pode ser incluído garantindo a tempestividade dos documentos!

O CARIMBO DO TEMPO é fornecido pela ARISP e pela SERPRO, entidades reconhecidas por suas excelências e segurança, tudo abaixo da ICP-BRASIL, de acordo com o provimento 95/2020 do CNJ.

O Cliente, se desejar, poderá incluir uma marca d’água na assinatura do seu PDF, tudo isso sem alterar o teor ou invalidar assinaturas anteriores!

Com a MobiRio é assim, sempre com novidades para proporcionar tranquilidade e facilidade a seus clientes!

Não tem MobiRio? Converta já!

Aliado com a resolução 170 da ICP BRASIL o ato eletrônico se torna cada vez mais uma realidade! Segue resolução na íntegra


COMITÊ GESTOR DA INFRAESTRUTURA DE CHAVES PÚBLICASRESOLUÇÃO Nº 170, DE 23 DE ABRIL DE 2020
Estabelece os procedimentos a serem observados quando da primeira emissão de um certificado digital por meio de videoconferência.
O COORDENADOR DO COMITÊ GESTOR DA INFRAESTRUTURA DE CHAVES PÚBLICAS BRASILEIRA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 6º, §1º, inc. IV, do Regimento Interno, torna público que o COMITÊ GESTOR DA INFRAESTRUTURA DE CHAVES PÚBLICAS BRASILEIRA, no exercício das competências previstas no art. 4º da Medida Provisória nº 2.200-2, de 24 de agosto de 2001, em plenária virtual encerrada em 23 de abril de 2020,
CONSIDERANDO a declaração de emergência em saúde pública de importância internacional pela Organização Mundial da Saúde em 30 de janeiro de 2020, em decorrência da infecção humana pelo novo coronavírus (COVID-19),
CO N S I D E R A N D O a Portaria nº 188/GM/MS, de 4 de fevereiro de 2020, que declarou Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional (ESPIN), em decorrência da Infecção Humana pelo novo coronavírus (COVID-19),
CONSIDERANDO que o art. 5º da Instrução Normativa no 19, de 12 de março de 2020, do Ministério da Economia, determina a suspensão e eventos e reuniões com elevado número de pessoas, enquanto perdurar o estado de emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus (COVID-19),
CO N S I D E R A N D O a publicação da Medida Provisória nº 951, de 15 de abril de 2020, e
CO N S I D E R A N D O que a referida Medida Provisória admite que as Autoridades de Registro – AR da ICP-Brasil procedam à identificação e cadastro de seus usuários mediante comparecimento pessoal do usuário, ou por outra forma que garanta nível de segurança equivalente, observada as normas técnicas da ICP-Brasil, resolveu:
Art. 1º Esta Resolução regulamenta os procedimentos a serem observados quando da primeira emissão de um certificado digital para uma pessoa física ou jurídica por meio de videoconferência.
Art. 2º Para os casos previstos no art. 1º, as entidades credenciadas no âmbito da Infraestrutura de Chaves Públicas Brasileira – ICP-Brasil devem empregar videoconferência de acordo com os procedimentos regulamentados pela Instrução Normativa nº 02, de 20 de março de 2020, do Instituto Nacional de Tecnologia da Informação, e observando o que se segue:
I – o prazo de validade dos certificados digitais emitidos nas condições excepcionais ora regulamentadas, em consequência da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus (COVID-19), será de no máximo 1 (um) ano;
II – fica dispensada a coleta das impressões digitais para as emissões ora tratadas;
III – não será admitida renovação desses certificados;
IV – a videoconferência deverá ser pré-agendada e os documentos de identificação exigidos enviados previamente, por meio eletrônico, de modo a proporcionar tempo para análise e validação desses documentos, que irão compor o dossiê dos titulares, bem como, consulta à lista negativa.
V – quando da realização da videoconferência, deverá ser coletada e armazenada, no dossiê do titular, imagem de sua face.
VI – observada inconsistência nos documentos apresentados, nas informações coletadas durante a interação na videoconferência ou divergência na imagem da videoconferência com a dos documentos apresentados, o certificado não deverá ser emitido.
VII – observada, a qualquer tempo, inconsistência ou divergência dos dados, informações, imagens ou documentos utilizados nos procedimentos ora regulados, os correspondentes certificados deverão ser revogados, observando-se os procedimentos regulamentados em caso de fraudes.
Art. 3º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação, permanecendo em vigor enquanto perdurar o estado de emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do corona vírus (COVID-19).
THIAGO MEIRELLES FERNANDES PEREIRA

Veja também




Veja todas as notícias